KOMPANHIA

O Ilha do Tesouro - Festival Mirada

2014

A montagem do espetáculo O Ilha do Tesouro desceu a serra e foi parar em Santos (SP). Convidada para integrar o prestigiado Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas (Mirada), sofreu mudanças significativas em sua adaptação - a geografia oferecida era maior e, consequentemente, o seu ciclo de duração estendeu-se por duas horas e meia. O agigantamento exigiu uma reengenharia específica e não diluiu o espírito do projeto inicial, que ganhou uma dimensão mais realista e imprevisível. 


A nova empreitada do diretor Ricardo Karman contou com três barcos e uma lancha,  reuniu três times concomitantes por sessão, cada um exposto a três tempos distintos, e se desenvolveu por alguns quilômetros ao longo de cinco localidades diferentes. Todos os núcleos estavam separados por centenas de metros, mas submetidos a uma coordenação central, que garantia a simultaneidade e driblava eventuais casualidades. Uma operação de fôlego para ensaiar, planejar, adaptar e montar.


O palco principal foi a Fortaleza da Barra, construída em 1584 por ordem de um almirante, que desejava reforçar a guarda da costa brasileira depois da vila de Santos ter sido atacada por piratas ingleses. Quatro séculos depois, ela abrigou outra vez uma épica história de piratas e tesouro escondido. O ponto de partida acontecia na costa continental da cidade litorânea. Em seguida, as equipes se acomodavam em embarcações e navegavam pela baía.


Após avistarem o forte e desembarcarem na ilha, filhos e pais seguiam itinerários próprios. Ambos enveredavam por trilhas pelas matas e ruínas históricas, que esporadicamente se conciliavam. Não faltavam obstáculos e situações de perigo no decorrer da jornada, como participar de lutas de espadas e guerras de bolinhas. Alguns chegavam a cair nas mãos de piratas e se tornavam prisioneiros. Claro, ali adiante seriam libertados. Personagens imprevistos cruzavam o rumo dos destemidos conquistadores, como os Cranibais, seres resgatados de Aguáh - o Espírito das Águas, do repertório da Kompanhia do Centro da Terra. Neste teatro-aventura, com jeito de videogame real, o medo e a inquietação que alguns sentiam fazia parte da proposta de superação.



Este espetáculo foi planejado para duplas (uma criança – 7 a 11 anos – e um adulto).

Texto, Criação e Direção: Ricardo Karman

Assistente de Direção: Bernardo Galegale

Elenco: Anísio Clementino, Bruna Aragão, Ellen Regina, Jaqueline Kubosky, Mário De La Rosa, Otto Blodorn, Renato Sousa, Xande Mello e Yunes Chami

Contrarregragem: Patrícia Amorim


Resenha

Se perguntarmos às crianças o que são os heróis, as resposta vêm cheias de aventuras, conquistas, demonstrações de poderes especiais, força, valores… E sobre quem são? Nesse instante, os olhares desviam, seguem a imaginação tentando encontrar pistas de reconhecimento. Pode parecer banal, mas facilidade e dúvida traduzem a maneira como a criança é construída nos dias atuais. Em casa, na escola, nos intermédios dos caminhos, o herói é sempre o outro, alguém que não a própria criança. Quantas responderiam um simples eu? É preciso possibilitar a elas a propriedade do heroico, do sentirem-se próximas ao heroísmo. Significa dizer, dar espaço ao convívio com a aventura. Pertence ao imaginário do viver um acontecimento, a superação, a surpresa consigo mesmo, a dimensão simbólica do herói não como alguém super, mas como alguém especial.


A Kompanhia do Centro da Terra, nos últimos 15 anos, gera o ambiente necessário para isso. São piratas, tesouros, desafios, armadilhas trazidas em uma narrativa repleta de aventura e de descoberta. Ao fim, as crianças percebem o afeto como o maior tesouro. Processo interessante, pois leva ao entendimento emotivo da conquista do outro, da aceitação, do sentimento verdadeiro: valores fundamentais do herói. Então o super-humano deixa de ser um extraterrestre ou um híbrido qualquer. É ele a dimensão mais profunda do sentir que lhe confirma especial. E esta é, sem dúvida, a mais importante e especial necessidade para a sobrevivência de todos nós.


http://mirada.sescsp.org.br/2014/pt/o-ilha-do-tesouro-brinca-com-a-imaginacao-trazendo-o-publico-para-dentro-do-espetaculo/index.html

KOMPANHIA

04.07.1989

Kompanhia do Centro da Terra

KOMPANHIA

525 Linhas 1989

525 Linhas

KOMPANHIA

O Santo e a Porca 1991 e 2002

O Santo e a Porca

KOMPANHIA

Viagem ao Centro da Terra 1992

Viagem ao Centro da Terra

KOMPANHIA

A Grande Viagem de Merlin 1995

A Grande Viagem de Merlin

KOMPANHIA

2001

Teatro do centro da terra

KOMPANHIA

2005

sobre-viventes

KOMPANHIA

2005

I Mostra de drama­turgia

KOMPANHIA

2005 a 2016

O Ilha do Tesouro

KOMPANHIA

2007

O Kronoscópio

KOMPANHIA

2007

Pneuma

KOMPANHIA

2010

Teatrokê

KOMPANHIA

2010

Aguáh - Billings

KOMPANHIA

2011

biliri e o pote vazio

KOMPANHIA

2010 a 2014

Sarau Noites na Taverna

KOMPANHIA

OVONO 2016

OVONO